domingo, 8 de julho de 2007

tudo



Eu, tia Fatima e Saul (noivo), ansioso pra receber Katia(noiva) que ainda não tinha chegado....rsrsrs.
 Família é muito importante pra mim.Esse final de semana está pautado para ficar com a família.
Tios e primos que moram em Natal (RN), e que há muito tempo não os vejo, estão aqui.
E numa paparicação comigo, que nem vou dizer que tou gostando viu.
Um primo casou hoje.
Depois de 10 anos juntos, numa cerimonia, linda e simples ao redor da natureza, com a familia e amigos. Fui madrinha.Me senti honrada.
É bom saber, que depois de tantos anos de convivência, e com uma filha já crescida, decidem selar o compromisso perante sua religião, sua fé, seu DEUS.
Acredito no amor, na união, no casamento.
Tive tudo isso, e mais alguma coisa, e foi muito bom...........recomendo.
Hoje me perguntaram se estou feliz??
Hoje, estou. Amanhã, e depois não sei.
Felicidade pra mim é como a vida:: EFÊMERA.
Tem que ser aproveitada até a última gota.
Ela existe em momentos.
Embora sinta falta da companhia mais assídua dos meus filhos Luiz Filipe e de Maria Luiza.
Julianna já não mora mais comigo, criou asas, tem sua família.
Entendo que chega uma certa altura da vida, que os filhos já não querem a companhia da gente como antes. As vezes isso me deixa triste.
Tento não pensar nessa tristeza.
Filhos é pra criar asas mesmo.
Pai e mãe serve apenas pra assoprar, principalmente quando não tiver vento. Sofre quem não pensar assim.
Saber que eles têem certeza que vão sempre poder contar comigo, me deixa bem.
Nada tem sido fácil pra mim.
Mas não me lamento.
Vez em quando cai uma lágrima aqui outra aculá.
Me dou esse luxo de chorar sim. Lágrima limpa a alma.
Chegou o tempo de compreender o meu valor e minha importância.
Essa conciência demorei a perceber.
Sou singular e especial.
Muitos já me disseram
Um me disse que sou mar.
Outros não têm escolha, a não ser me respeitar e admirar – e até mesmo invejar.
Mas não tenho medo.
As únicas pessoas não-invejáveis são as medíocres e isso é uma coisa que eu não sou.
Me despeço com um texto sob medida pra esse momento singular da minha vida:

eu
Nada lhe posso dar que já não existam em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens, além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo. (Hermann Hesse)

5 comentários:

Renata Dias disse...

Eita Rosinha, mas tu tem poder mulher, adoro vim por aqui, e aprender mais da vida.
Bom DOMINGO.

Lela disse...

Vamo combinar que cada instante de vida é promessa de felicidade, né não? ;)
Beijos, linda.

Eliane disse...

Vc não é uma mulher comum.
Bjs. Boa semana.

Diana disse...

Rosa, vc arrasa!Mas como é dificil dá esse sopro nas asas de quem se ama...uma vontade egoísta de prender pra sempre quem não nos pertence!Bjos.

Rosa Magalhães disse...

Me vi nas suas palavras. Também casei e descasei. E continuo a acreditar no casamento mesmo assim (o meu foi lindo). Parabéns ao casal! Beijo procê.