quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

ficar na superficie




No último post, coloquei um desabafo de uma pessoa que me indentifiquei. Particularmente, sei que ando dolorida, em todos os aspectos, talvez precise recomeçar tudo outra vez. Será que é assim?? Tem que ser assim? Tenho feito buscas incansáveis pra ter paz e equilibrio, consigui varias vezes, mas ela não tem sido constante, acho que preciso rever tudo de novo. Não posso chamar isso de sucesso,(não???) talvez ande exagerando, nem sei. Sinto uma necessidade enorme de me colocar do avesso. Sabe, tem um trecho no livro de Lya Lufty, umas das minhas preferidas, que diz o seguinte: A dor incomoda. A quietude perturba. O recolhimento intriga e incomoda os demais: "Ele deve estar doente, deve estar mal, vai ver é depressão, quem sabe um drinquezinho, uma nova amante, um novo namorado..." Para não se inquietarem, para não terem de "parar para pensar", ou apenas porque nos amam e nosso sofrimento os perturba, a toda hora nos dão um empurrãozinho: "Reaja, vamos, saia de casa, pára de chorar, bote um vestido bonito, vamos ao cinema, vamos jantar fora".Também para isso haverá uma hora certa. O luto é necessário - ou a dor ficará soterrada debaixo de futilidade, sua raiz enterrando-se ainda mais fundo, seu fogo queimando nossas últimas reservas de vitalidade, e fechando todas as saídas. Não vou me alegrar jantando fora quando perdi meu amor, perdi minha saúde, perdi meu amigo, perdi meu emprego, perdi minha ilusão... perdi algo que dói, seja o que for. Então, por um momento, uma semana, um mês um ano, ou mais, me deixem sofrer. Permitam-me o luto no período sensato. Me ajudem não interferindo demais. O telefonema, a flor, a visita, o abraço, sim, mas por favor, não me peçam alegria sempre e sem trégua. .... Tempo de viver. Se houver um tempo de retorno, eu volto. Subirei, empurrando a alma com meu sangue por labirintos e paradoxos - até inundar novamente o coração. Terei, quem sabe, o mesmo ardor de antigamente. (Trechos do Livro Perdas e Ganhos - Lya Luft.) . .... Sempre venho falando que meu luto sensato acabou, e acabou mesmo, procurei e procuro de todas as formas, me edificar, pus em pratica o que podia ser necessario, pra ficar sempre bem, sai com amigos, conheci outras pessoas, viajei, escrevi, beijei na boca, fiz festa no meu coração, escrevi de novo, li, trabalhei, enfim, procurei não deixar minha vida parar. Não redemunho( não mastigo) mas o que vivi. Claro que uma vez outra sinto ainda alguma dor, ficou uma cicatriz na ferida, não posso subjugar. Não pensei que fosse tão dificil. Mas não me arrependi, apenas podia ter tomado outro rumo, preferi descer, ainda estou em baixo, em nenhum momento ainda subi, os astros, os amigos, meu coração, me diz, que o ciclo acabou. Quero de coração, SUBMERGIR. Quero ficar na SUPERFÍCIE. Obrigado a todos . Fiquem na paz. 


eu
 

6 comentários:

Cristina disse...

Um abraço, não se preocupe, tudo passa.

Silvia disse...

As asas, que Deus lhe deu ruflaram de par em par, sua alma subio ao céu, seu corpo desceu no mar(Alp. de guimarães) Pense que o ciclo acabou, e depois dele vem um renascimento.Bjs.

Cida disse...

Rosinha, amiga, vc não acha que essas coisas estão afundadas há tempo demais???? Diz um filisófo chinês, que nesse meio pode revelar um tesouro, pense nisso.Pare de olhar pra vc, começe pelos lados.

Luis Antonio disse...

Eu sei que ela vem, ela sempre está em algum lugar, é a força, transmutada em alguma atitude gentil, uma palavra carinhosa, ou somente na presença das pessoas que estão com agente, e como falo sempre, que como super-heróis, não abrem nem para um Trem. Beijos

Julianna disse...

Mãeeeeeeeeee eu te amo.

Aline disse...

E o carnaval???
Já vistiu a fantasia??
Nessa época podemos né.
Bjs.