domingo, 6 de agosto de 2006

DA SOLIDÃO QUE NÃO QUIS.


De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama
De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente
Fez-se do amor próximo distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

(vinicius de morais)

4 comentários:

rubo medina disse...

Ana, Vinicius é o mestre.
Passei pra deixar beijos e o desejo de um bom fds.
Fui...

Aline disse...

Lugar sem comportamento é o coração, citando outro poeta, Manoel de Barros, muito criativo o postde hoje,adoro fotos em preto e branco. parabéns.

Anônimo disse...

Quem ficou no pensamento, voou....
(Milton N.)
Cuide se sua vida, viva ela intensamente, como se fosse a ultima coisa a fazer.

millu disse...

rosinha, as imagens que vc usa nos seus textos, viram poesia.
Beijos e boa semana.