quarta-feira, 16 de agosto de 2006

como pode um peixe vivo ver fora dágua fria




Era uma vez um peixinho que,
cansado de tanto fazer onda, resolveu mudar o rumo da história. Pegou uma praia
diferente e.... O final do episódio, com felicidade a metro como nos contos de
fadas, sou eu que vou dá.
Meu
interior é interessantíssimo, uma mina recheada de riquezas,
mas gostaria que nesse tempo que já esta tão longo eu consiga trazer meus
tesouros à luz. Remar contra a maré, essa não. Se as coisas estão meio
enroladas, eu tenho deixado o barco correr. Há dias em que tudo fica mais
devagar mesmo, mas isso não quer dizer que eu tenha que cair na
monotonia. Hoje......vou descansar um pouco. Eu tenho tantas coisas a
serem feitas, coisas pra pôr em dia principalmente no meu mundo
pessoal. Mas.... a preguiça fala mais alto, por que não dar ouvidos? Queria
esta na beira mar, eu o mar a rede, talvez alguns amigos ou mesmo sozinha,
sério ......................quero me encantar.






xero de rosa

5 comentários:

Marli disse...

"Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual o defeito que sustenta nosso edifício inteiro" (Clarisse Lispector, escritora).Passei só pra te ver

Alain disse...

Adoro a maneira simples que vc escreve, sinto em vc uma profunidade,não é superficial, parece que lhe conheço.

alexandre disse...

Rosinha venho te visitar, e sempre saio melhor, vou promover seu blog, no meu guru.beijos

Silvia disse...

Uma quinta-feira de muita paz pra vc, de todo meu coração

Anônimo disse...

Rosinha,eu me encanto por vc todos os dias.